Preços dos combustíveis dispararam em 2019

Embora os preços dos combustíveis tenham causado uma crise nacional em maio do ano passado – culminando com a greve dos caminhoneiros que paralisou o país por duas semanas – o governo insiste em manter os preços dos combustíveis alinhados ao preços internacionais, em desmontar a Petrobrás e vender as refinarias, trazendo sérios prejuízos à economia nacional e ao bolso dos brasileiros.

DIESEL: AUMENTO DE 8,7% – O litro do óleo diesel teve aumento de 8,7% no ano, passando de R$ 3,451 em 2018 para R$ 3,751 em 2019. Os seguidos reajustes nos preços do combustível desmascararam o discurso do governo Bolsonaro de que seguraria os preços e de que tomaria medidas no início do ano em favor da reivindicação dos caminhoneiros.

Com o aumento do preço e as promessas não cumpridas, os caminhoneiros prometem novas mobilizações este ano.

GASOLINA 5% MAIS CARA – De acordo com o levantamento da ANP, a gasolina ficou, em média, 4,85% mais cara nas bombas dos postos de combustíveis brasileiros no final do primeiro ano do governo Bolsonaro. O preço médio do litro do combustível subiu de R$ 4,34 no fim de 2018 para R$ 4,55 no final de 2019.

ETANOL: MAIOR AUMENTO DESDE 2015 – O etanol sofreu o maior reajuste dentre os combustíveis, de 11,51% no ano, o maior aumento nas bombas desde 2015. O preço médio do litro vendido ao consumidor saltou de R$ 2,83 no final do ano passado, para R$ 3,15 no encerrar de 2019. De acordo com o boletim Focus do BC, a inflação oficial do país deve fechar o ano em 4,04% – com grande contribuição da categoria de combustíveis.

Com o atentado com drone ordenado por Donald Trump que matou o general Qassem Soleimani, da Guarda Revolucionária do Irã, na quinta-feira (2) em Bagdá, no Iraque, aumentou a tensão no Oriente Médio e os preços do petróleo no mercado internacional já aumentaram 4%.

Queda nas exportações derruba saldo da balança

A balança comercial brasileira fechou 2019 registrando o pior superávit desde 2015, quando o país enfrentava a maior recessão de sua história. Naquele ano, o saldo foi de US$ 19,5 bilhões de dólares.

O Brasil teve um saldo de US$ 46,7 bilhões, mas esse resultado ficou 19,6% abaixo do registrado em 2018 (US$ 58 bilhões).

Os dados foram divulgados na quinta-feira (2/1) pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia.

No acumulado de 2019, as exportações brasileiras chegaram a US$ 224,018 bilhões, 7,5% abaixo de 2018, quando totalizaram US$ 239,264 bilhões. As importações em 2019 somaram US$ 177,344 bilhões, com uma diminuição de 3,3% sobre os US$ 181,231 bilhões de 2018.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.