Movimento Acorda Sociedade se organiza contra a reforma da Previdência. COBRAPOL presente!

O presidente da COBRAPOL, André Luiz Gutierrez (1º à direita na foto), participou, nesta quarta-feira (7), no auditório da sede do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB, em Brasília (DF, de encontro do Movimento Acorda Sociedade (MAS), que discutiu, entre outros assuntos, a PEC 287/2017 (Reforma da Previdência). Outro tema abordado pelas entidades presentes à reunião com o Fim do Foro Privilegiado.

Durante o encontro, o senador João Capiberibe (PSB/AP) e o deputado federal Alessandro Molon (Rede/RJ), representantes sindicais e de outras entidades debateram a atuação contra a Proposta de Emenda à Constituição – PEC nº 287/2016, que trata da reforma da Previdência, na Câmara e no Senado. As entidades querem alertar a sociedade brasileira sobre as mentiras propagadas pelo governo, em especial contra os servidores públicos.

O senador João Capiberibe pediu o apoio das entidades para uma PEC que pretende apresentar que proíbe qualquer modificação na legislação trabalhista e previdenciária por Medida Provisória. “Espero contar com vocês nesta proposta”, disse o parlamentar. Ele reforçou a importância de lutar contra a reforma da Previdência. “A matéria vai deixar desassistidas muitas pessoas que serão levadas à mendicância. Não podemos deixar que seja aprovada”.

Alessandro Molon considera a PEC de Temer cruel. “Felizmente, com a mobilização das entidades, não foi possível votá-la ano passado. Acredito que nem este ano”. Destacou a importância da mobilização e o diálogo com a sociedade. “Esta proposta mentirosa vai entrar nas eleições e as pessoas não podem ser enganadas”.

O coordenador do MAS, o desembargador Nery Junior, enfatizou os argumentos dos parlamentares e reiterou o pedido de apoio contra a tramitação da PEC 287/2016 nas duas Casas. Lembrou da campanha publicitária difamatória do governo federal contra os servidores públicos. “O governo está desrespeitando os servidores públicos e nós não vamos pagar a conta da corrupção. A PEC é imoral, perversa e desumana, e não pode ser aprovada”.

Além da COBRAPOL, participaram da reunião representantes de entidades como a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil – Anfip, Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho – Anamatra, Confederação dos Servidores Públicos do Brasil – CSPB, OAB Distrito Federal, Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União – Fenajusfe, Pública – Central do Servidor, Polícia Rodoviária Federal – PRF, União dos Policiais do Brasil – UPB, entre outras.

COBRAPOL – O presidente André Gutierrez ressaltou “a importância do movimento para mobilizar e conscientizar a sociedade brasileiro sobre os efeitos perversos da Reforma da Previdência e alertar os brasileiros que o governo utiliza, agora, o argumento dos privilégios para dificultar o acesso às aposentadorias, tanto no setor público, como no setor privado”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *