COBRAPOL participa de audiência sobre Reforma da Previdência no Senado

O presidente da COBRAPOL, Jânio Bosco Gandra, participou na manhã desta quinta-feira (06/04), de audiência pública sobre a Reforma da Previdência e os efeitos para a segurança pública, organizada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal.

Em sua intervenção, Gandra ressaltou que a proposta de Reforma da Previdência encaminhada pelo governo é equivocada. “Um pacote de maldades e de absurdos não só com a categoria policial, mas para com todo o povo brasileiro, porque vai atingir principalmente o nosso irmão brasileiro mais pobre”, afirmou.

Gandra ainda comentou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) do dia anterior (05/04) de declarar inconstitucional o direito de greve de servidores públicos de órgãos de segurança e proibir qualquer forma de paralisação nas carreiras policiais. “Ontem mesmo, logo depois da decisão, nós falamos para a imprensa que faremos deste limão que o STF nos deu uma limonada”, afirmou, referindo-se ao fato de que se os policiais resolverem apenas cumprir o que diz a lei, o trabalho já ficará parado. “Enquanto policiais civis, se nós quisermos cumprir a lei tão somente, não há mais investigação. Simplesmente a Polícia Civil vai parar, porque assim como os policiais rodoviários federais, nós só podemos dirigir viaturas se formos treinados e habilitados conforme o Código Nacional de Trânsito. Logo, aqueles que não possuem essa habilitação legal não podem sair com viaturas” lembrou.

O presidente da Confederação também comentou que a lei exige que todos os policiais usem coletes, o que não é uma realidade hoje no país. E ressaltou que recentemente o Exército brasileiro condenou cerca de 130 mil armas da marca Taurus utilizadas pelos policiais. “Iremos, enquanto sindicatos nos estados e amparados na regulamentação do decreto das Convenções 151 e 155 da OIT, das quais o Brasil é signatário, fiscalizar todas as corporações policiais para verificar se a lei está sendo cumprida”, afirmou.

Ainda sobre a Reforma da Previdência (PEC 287/2016), o presidente da COBRAPOL afirmou que os policiais devem se unir aos demais trabalhadores para dizer: vamos derrotar a PEC 287! E convidou todos os policiais para participarem no dia 18 deste mês de ato convocado pela União dos Policiais do Brasil (UPB) em Brasília, contra a reforma da previdência e a retirada de direitos.

Por Giselle do Valle
Fonte: Imprensa COBRAPOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *