COBRAPOL, JUNTO COM UPB, REÚNE-SE COM SECRETÁRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Governo, mais uma vez, assume o compromisso com o pleito da isonomia da aposentadoria dos profissionais de segurança com os militares

A COBRAPOL, através do presidente André Luiz Gutierrez, entre outros dirigentes da entidade, participou, hoje (19),  ao lado de demais representantes das organizações que integram a União dos Policiais do Brasil (UPB) (foto), de reunião com o secretário de Previdência Social do Ministério da Economia, Rogério Marinho, com o objetivo de reforçar o pleito junto ao governo para o cumprimento de acordo no sentido de assegurar aos policiais civis e demais profissionais de segurança pública, no texto da Reforma da Previdência que tramita na Câmara dos Deputados (PEC 6/2019), o mesmo tratamento que foi dado ao segmento militar.

Segundo os representantes da UPB, através de Informe divulgado posteriormente, “a reunião foi fruto de afirmação do Secretário, no Colégio de Líderes da Câmara dos Deputados, de que os policias queriam o que de melhor existe para os policiais militares mantendo tempo de serviço menor. Que se houvesse compromisso firmado das entidades, o governo aplicaria aos profissionais de segurança pública as mesmas regras dos policiais militares”.

Diante dessa afirmação, que não reflete a realidade, as entidades que compõem a UPB assinaram documento (ver link abaixo) dirigido ao Deputado Samuel Moreira, relator da matéria, demonstrando cabalmente seu aceite às regras apresentadas aos militares. A deputada Celina Leão (PP-DF), de posse desse documento, agendou a reunião com o secretário.

Ainda segundo a informação da UPB, Rogério Marinho afirmou perante todos os presentes que “se quiserem todas as regras dos militares eu falo com o relator”, o que foi prontamente aceito por todos e feita a entrega do referido documento.

Portanto, prossegue o informe, “o governo novamente, por meio de seus interlocutores do Ministério da Economia, fica com a responsabilidade de honrar ou não o compromisso proposto perante Colégio de Líderes da Câmara e aceito por todos os representantes presentes, ficando a seu cargo fazer valer sua palavra ou demonstrar, como vem ocorrendo, o descompromisso deste governo e seus interlocutores com a segurança pública e seus operadores”.

Mesmo diante desses fatos, “a UPB, ciente de sua responsabilidade e de esclarecimento aos profissionais de segurança pública deixa clara sua CONTRARIEDADE À POSTURA ADOTADA PELOS INTERLOCUTORES DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA e convoca todos para a paralisação do dia 25/06 e para o ato unificado dia 02/07, em Brasília”.

Gutierrez, presente ao encontro no Ministério da Economia, reiterou que “o pleito dos policiais civis e demais profissionais de segurança não constitui privilégio, mas um direito reconhecido pela sociedade que, esperamos, seja também reconhecido pelo governo e pelo Legislativo, assegurando a isonomia com os militares”.

Gutierrez voltou a informar que os trabalhos serão intensificados junto aos membros da Comissão Especial da Câmara dos Deputados que analisa a PEC 6/2019 (Reforma da Previdência), em Brasília e nos estados, pois há a possibilidade de votação da matéria na próxima semana.

Carta aberta UPB Samuel Moreira

Alex Galvão, vice-presidente da COBRAPOL e dirigente do SINPOL-DF; deputada Celina Leão (PP-DF); Marcilene Lucena, presidente da FEIPOL-CON e dirigente da COBRAPOL; e André Luiz Gutierrez, presidente da COBRAPOL, na sede do Ministério da Economia, em Brasília 

 

Fonte: Comunicação COBRAPOL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *