Audiência pública debate o aumento das mortes de policiais no Brasil

O presidente da Cobrapol, André Luiz Gutierrez, participou na tarde da quarta-feira (04) de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias sobre o aumento da mortandade de policiais no Brasil. Segundo o 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os policiais são mortos três vezes mais fora de serviço do que quando estão trabalhando.

Na audiência, Gutierrez ressaltou que os policiais não são vistos como trabalhadores, “mas como super-heróis que se morrerem são tirados da arena”, afirmou. Em sua intervenção, ele também comentou as polêmicas em torno dos direitos humanos para os criminosos. “Na verdade, nós vemos hoje muita polêmica sobre direitos humanos de quem é ‘vítima’ da polícia, mas que de vítima”, afirmou.

O presidente da Confederação ainda ressaltou que não gosta de usar a palavra heróis para referir-se aos policiais. “Prefiro dizer que somos a última barreira entre o caos e a sociedade. E sendo assim, temos mesmo que ser muito valorizados como profissionais”, declarou.

Assista aqui o vídeo da participação do presidente da Cobrapol na audiência.

Por Giselle do Valle
Fonte: Imprensa Cobrapol

Audiência na Câmara vai discutir os altos índices de mortalidade de policiais

O presidente da Cobrapol, André Luiz Gutierrez, participa nesta quarta-feira (4/10) de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados que vai debater o aumento da mortalidade de policiais no Brasil. A audiência será a partir das 14h, no plenário 9, anexo II.

De acordo com o 10º Anuário Brasileiro de Segurança Pública do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), das 58.492 mortes violentas registradas em 2015 no Brasil, 393 foram policiais, profissionais de segurança pública que estavam de folga ou trabalhando. Os dados do anuário revelam que estes profissionais são mortos três vezes mais fora de serviço do que em serviço e que, entre os anos 2009 e 2015, foram 2.572 policiais mortos no país.

“Os números são realmente alarmantes e o debate bastante oportuno. O Brasil se recente de uma política de segurança pública que valorize os policiais e precisamos discutir as saídas para essas questões”, afirma Gutierrez.

Também participam do debate Elisandro Lotin de Souza (Presidente da Associação Nacional de Praças – Anaspra); Ibis Silva Pereira (Coronel da Reserva Remunerada da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro) e Isabel Seixas de Figueiredo (Consultora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública).

Fonte: Imprensa Cobrapol